As oitavas de final do Shoot Out

Mark Selby e Ryan Day disputaram a final

Apenas retomando o assunto do último post: Judd Trump, o atual número um do mundo disparado dos demais, ganhou o German Masters com uma vitória por 9-2 contra Jack Lisowski na final no dia 31 de janeiro. Trump é o primeiro jogador na história do esporte a defender com sucesso esse título. A máquina de ganhar troféus tem agora 4 títulos no ranking apenas nessa temporada.

O Shoot Out foi o campeonato agendado para a última semana e eu passei boa parte do meu domingo assistindo os jogos. Vou pular direto para as oitavas de final nesse post (pra quem não sabe, 128 jogadores competiram nesse evento). A essa altura, o atual campeão Michael Holt havia sido eliminado. Restavam apenas os seguintes jogadores: Mark Selby, Zhou Yuelong, Ryan Day, Martin O'Donnell, Thepchaiya Un-Nooh, Noppon Saengkham, Mark Allen, David B. Gilbert, Mark J. Williams, Robert Milkins, Louis Heathcote, Lyu Haotian, Gerard Greene, e os amadores Declan Lavery, Ian Martin e Craig Steadman. 

A primeira partida foi entre Thepchaiya Un-Nooh e Mark J. Williams. Un-Nooh teve a primeira oportunidade mas marcou apenas 5 pontos. Depois do infortúnio do tailandês (que matou uma vermelha, mas não pôde continuar a tacada pois não havia como matar a próxima bola), Williams fez uma tacada de 21 pontos, que provou ser decisiva, porque Un-Nooh não foi capaz de reverter a diferença de pontos. Williams foi para as quartas de final (35-11) e eliminou o campeão de 2019. 

Mark Selby e Declan Lavery foram os próximos. Lavery foi o primeiro a pontuar, mas só conseguiu marcar 8 pontos. Selby respondeu com uma tacada de 29 seguida por mais uma tacada de alguns poucos pontos. Lavery jamais teve outra chance na partida. Selby foi o vencedor (55-9). Martin O'Donnell e Ian Martin jogaram em seguida. O'Donnell fez uma tacada de 25 depois de uma defesa mal jogada de seu oponente. Ian Martin até teve algumas chances, mas não soube aproveitá-las. O'Donnell venceu por 26-12. Próxima (quarta) partida: Noppon Saengkham e Craig Steadman. Saengkham cometeu uma falta e Steadman aproveitou para fazer uma tacada de 15, que foi seguida por uma tacada convincente de 56 que garantiu seu lugar nas quartas de final (72-8).

Quinta partida: Lyu Haotian contra Robert Milkins. Lyu Haotian foi o primeiro a pontuar com uma tacada de 16. Milkins respondeu com uma tacada de 24 e momentos depois com outra tacada de 51 pontos. O chinês Lyu Haotian não teve tempo para evitar a sua derrota (76-16). Gerard Greene e Louis Heathcote jogaram em seguida. Greene perdeu uma oportunidade de ouro para pontuar (ele fez falta). Heathcote se aproveitou da situação e fez uma tacada de 45. Greene não conseguiu pontuar mais e concedeu o frame (e a partida) depois de cometer uma segunda falta. O placar terminou em 65-2. Sétima partida das oitavas: Ryan Day e Zhou Yuelong. O chinês matou uma bola longa, fez uma tacada de 13 e depois uma falta. Day não conseguiu pontuar quando teve suas chances e Zhou Yuelong estava prestes a ganhar o jogo mas, na última hora, Day foi capaz de reverter a situação e virar o jogo (40-37)!

Na última partida das oitavas, Mark Allen jogou contra David Gilbert. Mark Allen havia feito a maior tacada da história do evento antes de chegar às oitavas de final. Foi uma tacada de 142 pontos que bateu o recorde de 139 pontos anteriormente estabelecido por Thepchaiya Un-Nooh. O jogador da Irlanda do Norte foi o primeiro a errar e Gilbert o puniu com uma tacada de 33. Allen não conseguiu armar um contra-ataque, o que permitiu com que Gilbert continuasse pontuando em doses homeopáticas até vencer a partida por 85-1.

E daí vieram as quartas de final. Ryan Day contra David Gilbert. Gilbert matou uma vermelha na caçapa do meio, fez 5 pontos e errou a preta. Depois de alguns erros por parte de ambos os jogadores, Day marcou 35 pontos para assumir a liderança. O jogador galês conseguiu se manter na liderança e consequentemente vencer a partida (49-6). Mark Selby e Robert Milkins foram os próximos. Os primeiros 3 minutos de jogo trouxeram apenas jogadas defensivas. Selby foi o primeiro a ter uma chance. Ele marcou 11 pontos e Milkins respondeu com 13 pontos. Selby deu a seu oponente uma segunda chance para pontuar e Milkins ampliou sua vantagem no placar para 10 pontos, que, como esperado, não foram o bastante para lhe garantir uma vitória. Selby assumiu a liderança (22-21) e continuou na mesa fazendo pontos até o tempo de jogo acabar (27-21).

O único amador ainda na disputa, Craig Steadman, jogou contra Louis Heathcote. O novato abriu uma liderança tímida de 30 pontos. A bola branca acabou caindo na caçapa, dando a Steadman uma chance para um contra-ataque. Steadman assumiu a liderança com uma tacada de 37, e Heathcote errou uma marrom bem simples que lhe custou a partida. Craig Steadman se classificou para as semifinais (47-37). Martin O'Donnell enfrentou Mark Williams nas quartas de final. O'Donnell saiu na frente com 13 pontos. Williams começou a pontuar quando faltavam 5 minutos no relógio e com muita calma fez uma belíssima tacada de 86. Quanto requinte do jogador galês!

Restavam 4 jogadores na competição. Restavam três partidas a serem jogadas, sendo a primeira delas entre os galeses Mark Williams e Ryan Day. Williams fez 17 pontos, incluindo uma vermelha com o fancho suspenso no ar (a jogada do campeonato pra mim), que não foram o bastante para garantir a vitória. Day precisou de duas idas à mesa para assumir a liderança. Não houve reação por parte de Williams. Day estava classificado para a final (31-18). Mark Selby e Craig Steadman disputaram a última partida das semifinais. Steadman fez falta e deu a Selby uma chance que o ajudou a abrir uma vantagem de 26 pontos no placar. O jogo ainda não estava perdido e Steadman fez 15 pontos antes de errar uma amarela, o que deu a Selby uma chance de voltar à mesa e conquistar sua vitória (43-15).

E foi assim que Selby garantiu a vaga em sua terceira final nesta temporada. Ele foi o primeiro a pontuar e ainda ampliar sua vantagem para 24 pontos. Ryan Day matou uma vermelha na caçapa do meio e a partir daí fez uma tacada de 67 pontos para conquistar seu primeiro título no ranking desde 2018 (quando venceu o Aberto de Gibraltar). É bom ver jogadores diferentes ganhando títulos pra variar. Eu não me importo nem um pouco com o fato deste evento não ortodoxo valer pontos para o ranking. Na pior das hipóteses, este campeonato dá aos jogadores não consagrados uma oportunidade de ascensão em suas carreiras. Ryan Day (Dinamite) já era um vencedor antes e já esteve entre os 16 melhores do mundo, então é justo que ele suba algumas posições no ranking. O vice-campeão Mark Selby merece toda consideração também. Não há como um jogador lento chegar à final do Shoot Out. Selby tem o dom do comedimento e um conhecimento profundo do lado tático do jogo, e isso faz dele um oponente difícil de derrotar, mesmo nestas condições.

E para terminar, a Championship League está de volta e os astros do esporte estarão em ação de novo (figuras carimbadas como Mark Selby, Judd Trump, Ronnie O'Sullivan, Mark Williams, Jack Lisowski, Niel Robertson e Kyren Wilson), mas este é apenas o aquecimento para o Aberto do País de Gales no fim do mês. Há jogos para assistir todos os dias e eu adoro esse ritmo descontrolado.

Imagem de fundo de Dilan arezzome por Pixabay