O Mago está de volta

John Higgins está jogando muito

John Higgins é o campeão do Cazoo Players Championship de 2021. Após terem jogado em outro local no Aberto do País de Gales, os jogadores voltaram à "velha" arena em Milton Keynes. Esse é o primeiro título de Higgins no ranking desde 2018 e já adianto que foi merecido. Ele jogou uma sinuca espetacular durante todo o torneio, mantendo seu jogo 'A' desde o início. Notavelmente, ele só perdeu 4 frames em quatro partidas — sendo que três partidas foram melhores de 11 e a final foi uma melhor de 19. John Higgins venceu Ronnie O'Sullivan por 10-3 na final para conquistar seu 31º título no ranking e garantir seu lugar no prestigiado Cazoo Tour Championship no final do mês (este também será realizado no Celtic Manor Resort, no País de Gales). Ele é o jogador mais velho a ganhar um evento no ranking na era moderna do esporte. Ambos os finalistas têm 45 anos e começaram a jogar como profissionais em 1992, daí o termo "classe de 92". Apesar de ser amplamente considerado como o melhor jogador de todos os tempos, O'Sullivan agora detém um recorde muito desagradável: ele se tornou o primeiro jogador a perder quatro finais consecutivas em torneios no ranking numa única temporada. Lembrem-se de que O'Sullivan havia acabado de perder para Jordan Brown (9-8) na final do Aberto do País de Gales na semana anterior.

Higgins está jogando a melhor sinuca da carreira

Vamos começar com o quatro vezes vice-campeão. O'Sullivan jogou uma sinuca razoável durante o torneio, mas ainda muito aquém de seu verdadeiro potencial. Ele passou por Ding Junhui com o placar de 6-5 na primeira rodada e foi então que eu vi seu famoso jogo 'A' que estava sumido há quase 2 anos (desconsiderando melhores de 7) nas quartas-de-final contra Jack Lisowski. Ele fez tacadas de 63, 79, 124, 93, 125 e 59. Lisowski ganhou um único frame com tacadas de 57 e 68. Ao contrário de Higgins, O'Sullivan não conseguiu replicar seu jogo 'A' em sua próxima partida. Ocorreu exatamente o contrário, já que Barry Hawkins teve um bom começo vencendo o primeiro e o par de frames seguinte com tacadas de 109 e 87. O'Sullivan então reagiu e ganhou cinco frames seguidos, os últimos quatro com tacadas de 83, 75, 90 e 79. Barry parou a sequência com uma tacada de 81 no frame 9. O'Sullivan venceu o décimo frame e a partida por 6-4 para garantir seu lugar em sua quarta final na temporada. Este torneio nos deu um vislumbre do desempenho de O'Sullivan na atual temporada até agora. Por muitas vezes ele chegou às últimas etapas dos torneios, apenas para falhar nos obstáculos finais.

John Higgins não foi tão prolífico quanto seu rival de longa data. Higgins também perdeu em sua primeira final na temporada no Masters para o adolescente chinês Yan Bingtao. Ele estava jogando bem naquela época, mas o jogador que vimos na semana passada estava em outro patamar. Eu não me canso de enfatizar isso. John Higgins jogou impecavelmente durante todo o torneio. Ele ganhou de 6-0 de Jordan Brown na primeira rodada com três tacadas centenárias consecutivas (122, 133, 121) e um par de tacadas acima de 50 (57 e 53). Ele então venceu Mark Selby, de novo por 6-0, nas quartas-de-final. Até então, todos já tinham notado o altíssimo nível da sinuca que ele vinha jogando. Higgins estava impecável, implacável, concentrado e calmo. Nunca o tinha visto jogar tão bem e de maneira tão consistente. Ele manteve Selby sentado em sua cadeira com tacadas de 60, 70, 63, 100 e 60. Na verdade, Selby só conseguiu marcar 7 pontos em toda a partida. A próxima vítima foi Kyren Wilson. E novamente, Higgins manteve o jovem jogador sentado em sua cadeira enquanto jogava o jogo de forma bela e sem esforço. Após vencer o primeiro frame, Higgins fez tacadas de 108, 88, 70, 51 e 74 em seu caminho para a vitória. No frame 5, Higgins fez uma brilhante tacada de 51 pontos para roubar o frame. Kyren merece algum crédito, pois conseguiu fazer o que parecia impossível até aquele ponto: ele ganhou o sexto frame com uma tacada centenária e evitou perder de 0! Higgins tem trabalhado em seu jogo usando uma abordagem diferente daquela do campeão mundial. Ele investiu em seu hardware (aquela virola de titânio bem chique) e mudou um pouco sua técnica. Parece que valeu a pena! Gosto de ver as lendas do jogo se reinventando e mostrando grande determinação para competir e alcançar novos objetivos no esporte.

Higgins foi consistente e focado como sempre e, como já era de se esperar, jogou incrivelmente bem na final. Ele facilmente derrotou o campeão mundial por 10-3. Desta vez, no entanto, eu já sabia que isso iria acontecer (é verdade, eu posso provar). Higgins vinha jogando a melhor sinuca de sua longa carreira e O'Sullivan parecia fisicamente e mentalmente exausto (ele estava bocejando em sua entrevista pós-jogo após a semifinal). Hora de uma breve aula de matemática. O campeão mundial se orgulha de ser um corredor que afirma correr 9 milhas por dia (isso é o equivalente a uma São Silvestre). Assumindo que a afirmação é verdadeira e que ele de fato correu ultrajantes 54 milhas de segunda a sábado, então isso significa que ele apareceu para jogar na final no domingo depois de ter corrido duas maratonas completas! Como um jogador pode dar o seu melhor nestas circunstâncias? Talvez a ideia de manter a forma como um meio de lidar melhor com a pressão tenha dado errado. Fim da aula de matemática. Para vencer John Higgins, O'Sullivan precisaria reproduzir a mesma sinuca que mostrou na última vez em que jogou a final deste mesmo torneio em 2019. Naquela época, ele trouxe seu jogo 'A' e destruiu Neil Robertson por 10-4 para conquistar seu 35º título no ranking. Higgins não foi perfeito, então não é que O'Sullivan não tivesse tido chances, o problema era que ele não conseguia tirar proveito das poucas chances que ele de fato teve. Sem despertar seu verdadeiro potencial, ele teria perdido a partida de qualquer jeito, mas pelo menos ele poderia ter feito Higgins trabalhar mais para conquistar seu troféu.

Depois de um primeiro frame “feio” vencido pelo escocês, a partida se transformou em um massacre. Higgins abriu uma vantagem de 5-0 com tacadas de 92, 68, 142 e 138 quando O'Sullivan finalmente ganhou um frame para sair do zero no placar com uma tacada de 82. Já era tarde demais para uma reação. Higgins venceu o sétimo frame e O'Sullivan respondeu com a maior tacada do torneio: 144 pontos. Higgins venceu o último frame da sessão com uma tacada de 51 e o primeiro frame da segunda sessão. O'Sullivan fez mais um centenário (110) para ganhar um terceiro frame e depois disso ele marcou apenas 4 pontos. Higgins terminou a partida vencendo três frames seguidos com tacadas de 70, 77 e 127. O último centenário era particularmente difícil de fazer, mas Higgins se recusava a ceder a vez e de alguma forma não interrompeu a tacada. Seu desempenho foi realmente estarrecedor! O melhor que já vi ele jogar. Higgins agora se junta ao seleto grupo dos campeões da atual temporada.

Ambos os finalistas se retiraram do Aberto de Gibraltar, que está acontecendo esta semana. Faz sentido, pois ambos têm vaga garantida no Tour Championship, que é um evento bem mais importante, tanto em termos de pontos no ranking quanto em prestígio. Apenas os 8 melhores da temporada podem competir no Tour Championship. De volta ao Aberto de Gibraltar, o melhor do mundo Judd Trump está de volta em ação, e os jogadores chineses Yan Bingtao e Ding Junhui já estão fora. Outra lenda do esporte saiu da aposentadoria após 9 anos para voltar ao circuito: o sete vezes campeão mundial Stephen Hendry. A expectativa em torno de seu retorno é enorme e eu honestamente espero que ele se saia bem. Afinal, o escocês têm uma reputação a zelar. Hendry perdeu em sua partida de estreia contra Matthew Selt na primeira rodada do Aberto de Gibraltar hoje. Não é nenhum demérito para a lenda do esporte, já que ele perdeu para um oponente bastante inspirado.

Crédito das imagens: wst.tv