O octeto

Seis campeões mundiais na disputa

Amanhã começam as quartas-de-final do mundial, o Betfred World Snooker Championship. O campeonato começou no sábado, dia 17 de abril, e contou com 32 jogadores na primeira rodada. Ao longo dos últimos 10 dias, todas as sessões da primeira e segunda rodadas acabaram e claro, restam apenas 8 jogadores. O que chama a atenção esse ano é a qualidade do octeto que está na disputa. Seis deles são campeões mundiais! As duas exceções são os jovens Anthony McGill e Kyren Wilson, que mesmo assim têm muita experiência no mundial. Wilson enfrentou McGill na semifinal do ano passado. Foi um jogo inesquecível, que se estendeu ao longo de 33 frames. O frame decisivo teve mais de 1 hora de duração e Kyren finalmente saiu vitorioso (17-16). 

O primeiro integrante do ilustre octeto é o escocês Anthony McGill, que derrotou Ricky Walden por 10-5 na primeira rodada. Mas o melhor ainda estava por vir: McGill pôs fim à campanha do até então campeão mundial, Ronnie O'Sullivan. Foi uma partida de altos e baixos para ambos os lados e, portanto, estendeu-se até um frame decisivo, o vigésimo quinto. O'Sullivan saiu na frente e havia feito 42 pontos quando errou uma vermelha de média distância. Foi fatal. McGill respondeu com uma tacada de 85 pontos para ganhar o jogo por 13-12. Eu não me dei ao trabalho de verificar, mas parece que essa foi a pior temporada da carreira de O'Sullivan, que, pela primeira vez em 29 anos como profissional, termina uma temporada sem ganhar nenhum campeonato. McGill, que aparentemente gosta de jogar no Crucible, irá enfrentar o campeão mundial de 2015, Stuart Bingham. 

Stuart Bingham, o segundo integrante do octeto das estrelas, despachou ninguém menos do que o chinês Ding Junhui numa partida que usou todos os 19 frames disponíveis. Bingham prevaleceu pelo placar de 10-9. O segundo desafio não foi tão intenso quanto o primeiro. Bingham enfrentou Jamie Jones na segunda rodada e venceu pelo placar elástico de 13-6. Bingham era uma bomba que ninguém desejava enfrentar logo na primeira rodada. Enfim, o "medo" que os demais jogadores tinham agora faz sentido, pois Bingham é realmente uma ameaça. 

Meu palpite: McGill, embalado após ter despachado O'Sullivan, vencerá a partida.

O galês Mark Williams é sem dúvida o jogador mais polêmico da competição. A "saída" dele tem dado o que falar nas redes sociais. Williams "cola" a bola branca no triângulo formado pelas 15 vermelhas (o bolo) em sua saída conservadora. O problema é que tanto Higgins quanto O'Sullivan também adotaram a estratégia e já cogitaram banir essa saída do esporte. Espero que não aconteça. É uma tacada lícita, não faz sentido proibi-la. Williams despachou o debutante Sam Craigie na primeira rodada (10-4) e em seguida abateu John Higgins pelo placar de 13-7. O próprio Williams nega ter capacidade para ganhar um quarto título mundial, mas a maneira como encara os jogos sugere o contrário. Ele afirma não estar preocupado com o desfecho dos jogos, e isso parece ter feito a diferença até agora.

Mark Selby será o adversário de Williams nas quartas. Selby sofreu aquela derrota traumática no ano passado e com certeza não quer ter o mesmo destino desta vez. Selby começou sua campanha com uma vitória esmagadora por 10-1 contra Kurt Maflin. A próxima vítima foi Mark Allen, que, diga-se de passagem, não anda jogando muito bem ultimamente. Selby venceu confortavelmente por 13-7.

Meu palpite: seria divertido ver Williams ir para a semifinal, mas acho que Selby vai prevalecer.

O próximo do octeto é o favorito da imprensa, o australiano Neil Robertson. Robertson venceu Liang Wenbo por 10-3 na primeira rodada e Jack Lisowski por 13-9 na segunda. Não se discute que ele está jogando a melhor sinuca da carreira, mas é preciso algo a mais para vencer no Crucible. Será que o campeão de 2010 irá repetir a façanha?

Robertson irá enfrentar Kyren Wilson, o finalista do ano passado. Kyren perdia por 5-1 na primeira rodada para Gary Wilson e mesmo assim virou o jogo e ganhou pelo placar de 10-8. A próxima vítima foi ninguém menos do que Barry Hawkins. O placar também foi apertado: 13-10. Kyren vai precisar dar tudo de si se quiser ter alguma chance contra o australiano.

Meu palpite: Kyren não será páreo para Neil Robertson, mas o placar vai ser apertado.

Shaun Murphy, o campeão mundial de 2005, derrotou Mark Davis na primeira rodada por 10-7 e o chinês Yan Bingtao por 13-7 na segunda. Murphy fez a maior tacada do campeonato até agora (144) e, apesar de não ter tido uma boa temporada, está jogando muito bem no Crucible. Na verdade, Murphy anda confiante no seu jogo e seu desempenho em bolas longas é impressionante nesse mundial. Se continuar assim, ele trará sérios problemas para seu adversário, Judd Trump.

Por fim, o melhor do mundo garantido, independente do desfecho da temporada, Judd Trump. Ele é o grande favorito a levar o troféu para casa. E não é para menos. Trump é um jogador maduro e tem muita vontade de vencer. Por mais que ele não tenha jogado tudo aquilo que sabe nas duas partidas iniciais, Trump é capaz de produzir a melhor sinuca do mundo a qualquer hora. Mesmo sem usar todo o seu potencial, Trump despachou Liam Highfield pelo placar de 10-4 no primeiro jogo e David Gilbert pelo placar de 13-8 no segundo.

Meu palpite: será o fim da linha para Shaun Murphy. 

 

Imagem de fundo de PIRO4D por Pixabay