Northern Ireland Open 2020

Será Trump capaz de defender o título mais uma vez?

O aberto da Irlanda do Norte (Northern Ireland Open) começa na próxima segunda-feira, dia 16 de novembro. Esse é o segundo evento da Home Nations Series. Como o nome sugere, esse torneio é normalmente realizado em Belfast, Irlanda do Norte. Neste ano, contudo, os jogadores voltarão a Marshall Arena, em Milton Keynes. O formato já é familiar para os fãs de sinuca: todos os 128 jogadores do circuito irão competir. É até um pouco frustrante para os jogadores que estão no topo do ranking porque eles precisam passar por todas as 4 rodadas iniciais para então chegar nas quartas-de-final e sempre há alguém pronto para estragar a festa. Mas no fim a realidade se impõe nesses campeonatos. É comum que sempre as mesmas figuras alcancem as fases finais da competição, exceto por alguns azarões.

Vamos dar uma olhada nas 16 primeiras posições no ranking:
  1. Judd Trump
  2. Ronnie O'Sullivan
  3. Neil Robertson
  4. Mark Selby
  5. Kyren Wilson
  6. Shaun Murphy
  7. John Higgins
  8. Mark Allen
  9. Stephen Maguire
  10. Ding Junhui
  11. Stuart Bingham
  12. David Gilbert
  13. Yan Bingtao
  14. Mark Williams
  15. Thepchaiya Un-Nooh
  16. Jack Lisowski
E agora compará-las com as 16 primeiras posições no ranking da atual temporada para se ter uma ideia de como andam as coisas:
  1. Judd Trump
  2. Mark Selby
  3. Kyren Wilson
  4. Neil Robertson
  5. Martin Gould
  6. John Higgins
  7. Shaun Murphy
  8. Zhou Yuelong
  9. Ding Junhui
  10. Barry Hawkins
  11. Yan Bingtao
  12. Robbie Williams
  13. Tom Ford
  14. Mark Davis
  15. Zhao Xintong
  16. Anthony McGill

Os 8 melhores colocados no ranking da temporada são praticamente os 8 melhores no ranking, as únicas exceções são Ronnie O'Sullivan e Mark Allen, que estão nas posições 46 e 24, respectivamente. Embora ainda seja muito cedo para fazer previsões, esses jogadores precisam fazer alguma coisa a respeito das suas colocações precárias no ranking da temporada. Eu suponho que Mark Allen deva subir algumas posições devido à sua boa fase, e O'Sullivan sempre será o jogador imprevisível que conhecemos. No pior caso, seria muito triste de ver o atual campeão mundial e o recém consagrado campeão dos campeões ficarem de fora de torneios como o Grand Prix, o Players Championship e o Tour Championship que acontecerão nos próximos meses. Note que o calendário do circuito será frenético até o fim de dezembro, razão pela qual eu espero muitas mudanças nas próximas semanas.

Eu percebi que Mark J. Williams sofreu uma queda abrupta no ranking. Ele corre o risco de sair do seleto grupo dos 16 primeiros. Hoje ele ocupa a posição de número 92 no ranking da temporada. Quanto aos demais jogadores, é bom ver figuras como Martin Gould, Barry Hawkins e Anthony McGill se dando bem. Stuart Bingham também está no topo da tabela, em décimo nono lugar. Os demais jogadores entre os 16 primeiros do mundo estão numa situação semelhante a O'Sullivan.

Voltando ao evento da próxima semana. O aberto da Irlanda do Norte trouxe momentos memoráveis aos fãs de sinuca ao longo dos anos. Em 2016, Mark King ganhou seu primeiro título ao derrotar Barry Hawkins por 9-8 numa final épica. Um ano depois, foi a vez de Mark J. Williams levantar o troféu, mas não sem ter que jogar uma negra antes contra o chinês Yan Bingtao. O galês se tornaria campeão mundial pela terceira vez alguns meses mais tarde.

O troféu Alex Higgins

Desde 2018 esse campeonato pertence a Judd Trump. De volta ao final de 2018, ele e O'Sullivan disputaram a final. O'Sullivan havia se consagrado como campeão dos campeões uma semana antes e estava embalado vindo para o torneio. Foi uma partida acirrada desde o começo. Trump estava jogando de forma consistente mas mesmo assim não tinha nada para mostrar ao final da primeira sessão, que terminou empatada em 4-4. O'Sullivan liderava por 7-6 quando Judd decolou no jogo para ganhar os próximos 3 frames e a partida por 9-7. Alguns dizem que esse episódio foi um divisor de águas na carreira de Trump, mas eu discordo, embora o fato de Trump gostar de jogar contra O'Sullivan em ocasiões importantes seja inquestionável. Na minha opinião, o verdadeiro divisor de águas na carreira de Trump foi a final do Masters em 2019, quando ele destruiu O'Sullivan ao vencer por 10-4 após abrir uma liderança expressiva de 6 frames na primeira sessão. 

Ainda em 2019, Ronnie O'Sullivan e Judd Trump chegaram à final mais uma vez. Desta vez, porém, Trump era o homem a ser batido (ele era o campeão mundial e o número 1 no ranking) e O'Sullivan era o azarão que ainda não havia ganhado nenhum título na temporada. No fim, a história se repetiu e Trump ganhou a partida por 9-7, fazendo 4 tacadas centenárias e mais 7 tacadas acima de 50 pontos. Trump tem vencido um torneio após o outro desde o final de 2018, logo, as chances de ele defender o título pela segunda vez são de fato bem altas.

Crédito da imagem: wst.tv
Background image by Jeon Sang-O from Pixabay